As últimas novidades e notícias da indústria de celulose e papel. Artigos técnicos, tendências, tecnologia, inovação, ESG, cursos e mais.

O Que É Preciso Para Prosperar?

Não que isso seja novidade, mas é preciso lembrar
de vez em quando que não estamos mais na era
do conhecimento. Hoje, ter um futuro profissional
promissor, vai muito além da quantidade de
informação que você diz que possui, ou ainda, da quantidade
de cursos e pós-graduações que você fez.
Não entender de gente, não saber se relacionar e não conseguir
se comunicar de forma clara e assertiva são competências
que têm demitido mais pessoas atualmente do que qualquer
competência técnica. Afinal, em um mundo supercomunicativo
– termo citado por Jack Trout em seu livro Posicionamento,
considerado o livro mais importante de marketing de todos ostempos –, se você quer ter sucesso, deve aprender primeiro a
influenciar pessoas.
Apesar de não concordar com todos os meios relatados no
livro para conseguir obter um posicionamento de sucesso para
marcas, empresas, carreiras e negócios, um deles me é irrefutável
e diz claramente que o mercado de hoje não reage mais às
estratégias que deram certo no passado.
“Há produtos demais, empresas demais e barulho de marketing
demais” e, em uma estrutura com tanto ruído, você não
precisa apenas ser visto, você precisa ter um “quê” a mais que
faça com que você seja lembrado.
Para que isso aconteça, investir em uma mensagem clara a
respeito de si e das suas estratégias no jogo têm sido regra básica
desde os funcionários até as grandes organizações. Assim,
se você consegue enxergar seus resultados e suas vantagens
competitivas, mas o mercado ou os clientes internos não, você
não tem resultados.
Aqui, nada é óbvio e “quem não é visto, não é lembrado”.
Eu sei que pode parecer extremista, mas os dados trazidos
no livro Posicionamento são bem realistas e, por mais que eu,
enquanto psicóloga e crente em um mundo de menos aparências
e mais critérios, desejasse acreditar que o seu esforço in
natura é o suficiente, ele não é. Se você não consegue encantar,
falar de si e demonstrar atitude arrojada, você tende a não ter
sua mensagem recebida e, por consequência, pode ter o seu
crescimento profissional prejudicado.
Prejudicado, pois quando você trabalha, cria coisas incríveis
e percebe que o seu time ou você mesmo tem evoluído
muito, mas ninguém fica sabendo disso, basicamente nada
aconteceu, a não ser na sua mente. Forte não é mesmo?
A boa notícia é que o mercado dita as regras, porém, é você
quem escolhe como jogar. Você é quem decide se quer ou não
participar delas e, se a resposta for sim, você poderá ainda
escolher as estratégias que cabem alinhadas às suas crenças e
valores, porém, uma vez tomada a decisão de permanecer no
jogo para prosperar em um cenário de incerteza, estar motivado
ou, ainda, contratar pessoas eficientes e motivadas não é
o suficiente.
Em um mercado supercomunicativo, clareza e assertividade
são a bola da vez e na comunicação, menos é mais,
portanto, fugir do perfeccionismo, abandonar a falsa sensação
de controle que se tem ao evitar delegar tarefas e se
manter como centro das coisas, tem impedido empresas e
profissionais de irem em busca do seu oceano azul, ou seja,
de irem em busca de fazer a diferença e transformar obstáculos
em oportunidades.
Entendo que, em um mundo de incertezas, a zona de conforto
pareça atraente, menos arriscada, mas ao mesmo tempo
me pego pensando se realmente existe neste contexto tão complexo
algum lugar de conforto.
Para que realmente possamos ser empresas que aprendem,
muita mudança ainda precisa acontecer, dentre elas a construção
de espaços onde seja possível aprender com os erros e
passar aos envolvidos expectativas claras sobre o seu papel e o
que é esperado dele, para que seja visto como “eficiente”.
Percebo, ainda, nestes meus dezesseis anos de desenvolvimento
de pessoas e organizações, que o medo de parecer
agressivo, competitivo, centralizador ou ainda narcisista impede
muita gente boa de contar sobre as suas entregas ou
ainda de colocar sua opinião. Se você se encaixa neste perfil,
trabalhar o seu posicionamento de forma estratégica, alinhada
a quem você é, pode ser um passo muito importante para a
evolução da sua carreira. Se você não sabia, existe sim como
fazer isso, como manter a autenticidade e ainda assim fazer
marketing pessoal e é por isso que o autoconhecimento não é
só mais uma “coisa” de psicólogo.
Pense nisso, vire a chave, construa o seu jeito ser visto, mas
coloque “a cara no Sol”.
  • Mais sobre:
  • RH

Últimas Notícias

Cristiano Teixeira, CEO da Klabin, é nomeado CEO do Ano da Fastmarkets LatAm

O prêmio será entregue na 19ª Conferência Anual de Produtos Florestais da América Latina da Fastmarkets

Eldorado amplia monitoramento 24h de florestas e reduz incêndios em 88%

Eldorado reduz incêndios florestais em 88% em 2023 com tecnologia avançada e treinamento.Monitoramento 24h, câmeras AI e capacitação comunitária são os pilares

CMPC mantém plano bilionário e lidera esforços de reconstrução no Rio Grande do Sul

A CMPC reforça compromisso com a região e destaca ações de solidariedade e apoio às comunidades afetadas com o evento climático extremo que assolou a região

Branded Contents

INCAPE forma primeira turma do curso “Mulheres Papeleiras”

Iniciativa da INCAPE reforça o compromisso da empresa com o Pacto Global da ONU, rumo à igualdade de gêner

Thiago Karam Westphalen assume presidência da INCAPE

Thiago Karam Westphalen assume como diretor presidente da INCAPE, com planos de continuar a trajetória de sucesso da família na expansão dos negócios

Destaques Tecnológicos

Destaques tecnológicos do setor: Andritz, Contech, Hergen, Solenis, Valmet E Voith

Compartilhar

Newsletter

Mantenha-se Atualizado!

Assine nossa newsletter gratuita e receba com exclusividade notícias e novidades