As últimas novidades e notícias da indústria de celulose e papel. Artigos técnicos, tendências, tecnologia, inovação, ESG, cursos e mais.

FIESP projeta crescimento de 1,8% da produção industrial

De acordo com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) a produção industrial recuou 1,6% entre dezembro e janeiro, nos dados com ajuste sazonal. Frente a janeiro de 2023 houve crescimento 3,6%. O desempenho foi influenciado pela queda na indústria de transformação (-0,3%) e na indústria extrativa (-6,3%). Com os últimos resultados, a atividade industrial segue defasada em 0,8% em relação ao nível pré-pandemia (fev/2020) e 17,5% na comparação com o recorde da série histórica (maio/2011).

Notícia continua após o anúncio

Gráfico 1: Produção Física Industrial

Variação mensal com ajuste sazonal<br>Fonte elaboração FIESP a partir de dados do IBGE

A queda na atividade industrial na passagem para janeiro foi concentrada em duas das quatro categorias econômicas e 6 dos 25 segmentos pesquisados. Entre os grupos de atividade, as influências negativas mais relevantes no mês de janeiro foram indústrias extrativas (-6,3%) e produtos alimentícios (-5,0%), com a primeira interrompendo dois meses consecutivos de crescimento na produção e a segunda eliminando parte da expansão de 11,3% acumulada no período julho-dezembro de 2023.

Por outro lado, entre as atividades que registraram as maiores contribuições positivas no mês foram produtos químicos (+7,9%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (+13,7%), veículos automotores, reboques e carrocerias (+4,0%) e máquinas e equipamentos (+6,4%).

Em relação às grandes categorias econômicas, na comparação com o mês anterior, sem influências sazonais, as variações negativas ficaram a cargo de bens intermediários (-2,4%) e bens de consumo semi e não duráveis (-1,0%), enquanto os setores produtores de bens de consumo duráveis (+1,4%) e de bens de capital (+5,2%) apresentaram os resultados positivos.

Análise do cenário pela FIESP

No início do ano prevalece dominante o conjunto de setores desacelerando ou em estabilidade (em relação a sua média histórica) , conforme mostra o mapa de calor – Figura 1. Por outro lado, os setores de alimentos, coque, derivados de petróleo e biocombustíveis, extrativa mineral e de Impressões se destacam como setores em aceleração. Os três primeiros se beneficiam de um maior processamento de commodities agrícolas e energéticas.

Figura 1: Mapa de calor da Indústria (Jan/23 – Jan/24)

Fonte elaboração FIESP a partir de dados do IBGE

Em 2024 o balanço de forças para a indústria será mais favorável na comparação com o ano anterior. No entanto, o desempenho mais forte tende a se concentrar na segunda metade do ano. Este cenário se baseia na recuperação da demanda, tanto pelo lado do consumo, com os efeitos da flexibilização da política monetária e continuidade da expansão renda, quanto dos investimentos, que, além da queda dos juros, tendem a ser influenciados pela melhora nas expectativas dos empresários e às medidas recentemente anunciadas pelo governo, como Depreciação Superacelerada, Mover e o Plano Mais Produção (P+P).

Levando em consideração os vetores potenciais de crescimento, a FIESP projeta aumento de 1,8% da produção industrial em 2024. No médio e longo prazo, a maturação da reforma tributária e a implementação do Nova Indústria Brasil (NIB) podem contribuir para a retomada do protagonismo do setor industrial no crescimento econômico.

Fonte> FIESP

Últimas Notícias

Irani investe mais de R$ 80 milhões para modernização e ampliação do parque fabril

Recursos destinados pela Irani à Plataforma Gaia vão permitir a ampliação e a modernização da máquina de papel V na unidade de Campina da Alegria (SC)

Irani investe mais de R$ 18 milhões em plataformas de PD&I

Projetos da Irani em PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) focam em inovações que abrangem o segmento de papel, embalagem, florestal e meio ambiente

Irani Papel e Embalagem avalia novo ciclo de investimentos

Irani avalia projeto "Plataforma Neos", com expansão da base florestal, aumento da produção de celulose de fibra longa, papel para embalagens e papelão ondulado

Branded Contents

INCAPE forma primeira turma do curso “Mulheres Papeleiras”

Iniciativa da INCAPE reforça o compromisso da empresa com o Pacto Global da ONU, rumo à igualdade de gêner

Thiago Karam Westphalen assume presidência da INCAPE

Thiago Karam Westphalen assume como diretor presidente da INCAPE, com planos de continuar a trajetória de sucesso da família na expansão dos negócios

Destaques Tecnológicos

Destaques tecnológicos do setor: Andritz, Contech, Hergen, Solenis, Valmet E Voith

Compartilhar

Newsletter

Mantenha-se Atualizado!

Assine nossa newsletter gratuita e receba com exclusividade notícias e novidades