As últimas novidades e notícias da indústria de celulose e papel. Artigos técnicos, tendências, tecnologia, inovação, ESG, cursos e mais.

Economia brasileira deve crescer 1,7% em 2024

CNI aponta que expansão do PIB no Brasil de 3% em 2023 é idêntica à de 2022, mas não representa um novo ciclo de desenvolvimento para a economia

Notícia continua após o anúncio

O consumo das famílias deve crescer 2,6% e o investimento vai recuar 3,5% neste ano. A expectativa é de que a taxa de investimento, que é a relação entre a formação bruta de capital fixo e o PIB, deve cair para 18,1%, ante 19,3%, em 2022. Essa queda no investimento vai impedir um melhor desempenho nos próximos anos. Por isso, o Brasil precisa de uma estratégia de médio e longo prazo para sustentar taxas de investimento iguais ou superiores a 20% do PIB.

“O crescimento sustentado da economia está diretamente ligado ao aumento do investimento. E a agenda da economia verde, da sustentabilidade, da pesquisa e inovação, da transformação digital, indica o caminho para que o Brasil atraia indústrias e desenvolva infraestrutura para fazer a transição para uma economia de baixo carbono. O país está muito bem-posicionado para ser protagonista dessa neoindustrialização, o que pode ser alcançado pela definição de um política industrial bem estruturada e com foco em superar os desafios de nossa sociedade”

Ricardo Alban, presidente da CNI

A expectativa para o próximo ano é de que o mercado de trabalho não deverá repetir o crescimento de 2023. A previsão é de alta de 2,9% na massa salarial em 2024 ante a alta de 6,4%, neste ano. Isso se deve ao fato que, para 2024, a CNI projeta um crescimento menor do número de pessoas ocupadas. Ocorre que os efeitos da política monetária, de juros altos, serão sentidos de forma negativa no emprego ainda no fim deste ano.

A CNI também prevê que o cenário econômico internacional será pouco favorável, o que deve impedir novos aumentos históricos no saldo positivo da balança comercial. Neste ano, o saldo recorde decorre dos volumes exportados de produtos agropecuários, principalmente soja e milho, e da indústria extrativa, principalmente petróleo e minério de ferro.

As previsões constam do documento Informe Conjuntural: Economia Brasileira 2023-2024 divulgado nesta quinta-feira, 14 de dezembro, na sede da CNI.

Cenário da indústria de transformação e construção tem leve melhora para 2024

O diretor de Desenvolvimento Industrial e Economia da CNI, Rafael Lucchesi, explica que a indústria de transformação e a indústria da construção deverão ter altas modestas, de 0,3% e 0,7%, respectivamente em 2024, e devem compensar as quedas deste ano. A indústria de transformação encerrará 2023 com queda de 0,7% e a indústria da construção vai recuar 0,6%, depois de dois anos de forte crescimento.

Segundo ele, a indústria de transformação continuará convivendo com cenários bastante heterogêneos entre os setores devido à diferença entre a política monetária, que inibe a atividade econômica, e a política fiscal, que a estimula. “Mas essa diferença de desempenho entre os setores mais sensíveis à renda e os mais sensíveis ao crédito deve se reduzir com os cortes da Selic”, explica.

“Mas ao contrário do que ocorreu este ano, quando o consumo das famílias e o setor externo tiveram forte influência para o crescimento do PIB, em 2024, somente o consumo desempenhará esse papel. Ainda assim, com menos força”, afirma Lucchesi. A expectativa é de que o consumo das famílias cresça 1,8% em 2024.

Taxa de investimento atingirá 17,9% do PIB em 2024

O investimento deverá ter desempenho modesto, mas positivo em 2024. O melhor desempenho da indústria da construção, aliado às taxas de juros mais baixas, deverão estimular o investimento. A CNI projeta alta de 0,5% da formação bruta de capital fixo em 2024, na comparação com 2023. Como a ampliação da capacidade produtiva crescerá menos do que o PIB, a taxa de investimento passará a 17,9%, ante os 18,1% de 2023.

Indústria extrativa cresce mais de 7,1% em 2023 e 2% em 2024

O PIB da indústria como um todo vai crescer 1,5% em 2023 na comparação com 2022. A indústria extrativa foi impulsionada pelo aumento da demanda externa, por petróleo e minério de ferro, e deve crescer 7,1% em 2023. Em 2024, o PIB da indústria extrativa deverá crescer 2%, sobretudo devido às maiores dificuldades nas exportações de minério de ferro.

Além disso, o setor de Eletricidade e gás, água, esgoto e atividades de gestão de resíduos, que faz parte do PIB industrial, vai encerrar o ano com alta de 5,5%. No próximo ano, o crescimento será menor, com previsão de alta de 2%.

Setor agropecuário terá expansão de 15,1% em 2023 e de 0,2% em 2024

O setor agropecuário foi beneficiado pela redução relevante dos custos de produção, aliada a safra recorde, além de um setor externo que apresentou oportunidades e permitiu a conquista de novos mercados. Dessa forma, a expectativa é que o PIB agropecuário encerre 2023 com alta de 15,1%. No entanto, esse mesmo cenário não deve ser repetir no próximo ano. A previsão é de redução na safra de 2024 frente a de 2023, com crescimento de 0,2% do PIB do setor.

Inflação e juros vão manter trajetória de queda

A CNI espera a manutenção da trajetória da queda de inflação, com o IPCA em 3,9% ao fim de 2024. A manutenção desse cenário mais favorável permitirá a continuidade da sequência de cortes da Selic, de modo que a taxa deve terminar 2024 em 9,25% ao ano.

Fonte: CNI

Últimas Notícias

Irani investe mais de R$ 80 milhões para modernização e ampliação do parque fabril

Recursos destinados pela Irani à Plataforma Gaia vão permitir a ampliação e a modernização da máquina de papel V na unidade de Campina da Alegria (SC)

Irani investe mais de R$ 18 milhões em plataformas de PD&I

Projetos da Irani em PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) focam em inovações que abrangem o segmento de papel, embalagem, florestal e meio ambiente

Irani Papel e Embalagem avalia novo ciclo de investimentos

Irani avalia projeto "Plataforma Neos", com expansão da base florestal, aumento da produção de celulose de fibra longa, papel para embalagens e papelão ondulado

Branded Contents

INCAPE forma primeira turma do curso “Mulheres Papeleiras”

Iniciativa da INCAPE reforça o compromisso da empresa com o Pacto Global da ONU, rumo à igualdade de gêner

Thiago Karam Westphalen assume presidência da INCAPE

Thiago Karam Westphalen assume como diretor presidente da INCAPE, com planos de continuar a trajetória de sucesso da família na expansão dos negócios

Destaques Tecnológicos

Destaques tecnológicos do setor: Andritz, Contech, Hergen, Solenis, Valmet E Voith

Compartilhar

Newsletter

Mantenha-se Atualizado!

Assine nossa newsletter gratuita e receba com exclusividade notícias e novidades