As últimas novidades e notícias da indústria de celulose e papel. Artigos técnicos, tendências, tecnologia, inovação, ESG, cursos e mais.

Novo presidente à frente da APRE

Em 2024, a Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (APRE) conta com um novo presidente: Fábio Brun, diretor executivo da RMS para a América do Sul. Engenheiro florestal formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e mestre em Recursos Florestais pela Universidade de São Paulo (USP), o profissional traz na bagagem 30 anos de experiência, tendo ajudado a desenvolver o setor florestal no Brasil, e promete somar esforços para buscar ainda mais avanços para o segmento, as empresas e a sociedade.

Notícia continua após o anúncio

Para ele, a APRE é uma entidade representativa forte e reconhecida por todos os diferentes atores que se relacionam com o setor florestal. Por isso, assumir a presidência da Associação é um desafio, ainda mais em um estado como o Paraná, que é uma potência em termos de florestas plantadas.

“A APRE representa não apenas o setor no estado, mas também é a voz do setor florestal paranaense em todo o Brasil. Considerando o valor total gerado pela produção florestal, o Paraná se destaca como um dos principais protagonistas nacionalmente. Até o momento, o trabalho realizado tem sido excelente, e pretendo dar continuidade a esse sucesso. Manterei uma comunicação próxima com os diversos agentes envolvidos para fortalecer ainda mais a entidade e garantir que as melhores decisões para o setor sejam tomadas, seja no âmbito político, legal, judicial, legislativo, entre outros”, destaca.

O engenheiro florestal reconhece que cada empresa associada tem seu próprio modelo de negócios, objetivos e metas específicas. No entanto, também acredita na existência de interesses comuns entre elas. Por essa razão, é fundamental para o crescimento e prosperidade das empresas fazer parte de uma associação ou grupo que tenham uma capacidade ampliada de representar os interesses coletivos. Portanto, um dos objetivos dele é garantir o reconhecimento da influência da APRE em diversas esferas, visando atrair mais marcas para se associarem à causa e, consequentemente, contribuírem para a união de esforços nas ações.

“Em síntese, o associativismo é essencial para sustentar o trabalho coletivo e possibilitar a contínua busca por melhores condições. Ao mesmo tempo, representa uma oportunidade valiosa para compartilhar conhecimento, experiências e encontrar soluções eficazes para os diversos problemas que partilhamos. Todo esse processo contribui significativamente para o fortalecimento do setor e o atendimento de nossas demandas. Além disso, vai além ao projetar uma imagem positiva da nossa comunidade na sociedade, demonstrando organização, proatividade e valor agregado para as pessoas”, afirma o novo presidente da APRE.

Adicionalmente, Brun destaca que, além do esforço para assegurar melhores condições para a atividade, a Associação deve ser capaz de realizar tudo isso em conformidade com as expectativas da sociedade. Afinal, ela coexiste com o setor e consome os produtos dele. Portanto, é também responsabilidade da entidade fornecer informações de qualidade, e “a APRE tem desempenhado muito bem esse papel”, ele avalia. “É um serviço que oferecemos à população, demonstrando que as operações de nossas empresas são guiadas pelo compromisso com o meio ambiente e com as pessoas. A campanha de prevenção e combate a incêndios, liderada pela APRE e que envolve diversas instituições, é um excelente exemplo disso. Precisamos continuar nessa trajetória e promover cada vez mais iniciativas como essa”, conclui.

Mercado florestal nos próximos anos

Além de liderar a APRE, Fábio Brun também ocupa o cargo de diretor em uma renomada e tradicional empresa na América do Sul, classificada entre as quatro maiores TIMOs (Organizações de Gestão de Investimentos Florestais) do mundo atualmente. Por isso, está constantemente atento ao cenário, planejando as próximas estratégias. Em sua análise, o setor florestal está emergindo de um período completamente atípico devido aos impactos extraordinários da pandemia e do período pós-pandemia na economia. Sob a perspectiva de mercado, o engenheiro florestal vislumbra um futuro desafiador.

“Um exemplo disso é a inflação. Apesar das medidas adotadas pelo Brasil para contê-la, os impactos posteriores à pandemia continuam sendo sentidos globalmente e, quando há inflação, é necessário reduzir a atividade econômica para controlá-la. Em 2024, espera-se que o crescimento econômico brasileiro se mantenha moderado e próximo de uma média mundial modesta. Portanto, é razoável esperar que tenhamos um crescimento também moderado no setor florestal, especialmente em comparação com os anos imediatamente anteriores. No entanto, supondo que a inflação se mantenha sob certo controle, há também expectativas de uma redução nas taxas de juros de curto prazo, o que nos levaria a vislumbrar a possibilidade de uma melhora no mercado de crédito a partir do segundo semestre de 2024. Além disso, existem as tradicionais incertezas sobre como o câmbio irá se comportar, o que é um fator crucial para um mercado exportador como o paranaense. Por esses motivos, consideramos que o cenário será mais desafiador. É possível melhorar? Sim, é possível! Mas, atualmente, estamos observando o mercado com cautela”, enfatiza.

Apesar dessa observação mais atenta, Brun ressalta que, neste ano, os norte-americanos irão às urnas para eleger um novo presidente, e teremos eleições municipais no Brasil. Historicamente, esses períodos tendem a trazer reflexos adicionais para a economia, o que aumenta a ansiedade do mercado como um todo.

“Falamos em cenário econômico, mas, como o próprio nome sugere, é apenas um cenário. É importante ressaltar que a APRE estará, como sempre esteve, vigilante e atenta, pronta para agir rapidamente e atender às demandas do setor e da sociedade. Esta é a minha primeira experiência como presidente de uma associação. Anteriormente, fiz parte da diretoria da Associação Catarinense de Empresas Florestais, a ACR, também já participei da diretoria da APRE e sou membro do Comitê Diretor Florestal da Indústria Brasileira de Árvores (IBÁ) desde 2010. É uma experiência nova e desafiadora, e estou motivado para contribuir para o avanço desse importante setor”, finaliza.

Fonte: APRE

Últimas Notícias

Irani investe mais de R$ 80 milhões para modernização e ampliação do parque fabril

Recursos destinados pela Irani à Plataforma Gaia vão permitir a ampliação e a modernização da máquina de papel V na unidade de Campina da Alegria (SC)

Irani investe mais de R$ 18 milhões em plataformas de PD&I

Projetos da Irani em PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) focam em inovações que abrangem o segmento de papel, embalagem, florestal e meio ambiente

Irani Papel e Embalagem avalia novo ciclo de investimentos

Irani avalia projeto "Plataforma Neos", com expansão da base florestal, aumento da produção de celulose de fibra longa, papel para embalagens e papelão ondulado

Branded Contents

INCAPE forma primeira turma do curso “Mulheres Papeleiras”

Iniciativa da INCAPE reforça o compromisso da empresa com o Pacto Global da ONU, rumo à igualdade de gêner

Thiago Karam Westphalen assume presidência da INCAPE

Thiago Karam Westphalen assume como diretor presidente da INCAPE, com planos de continuar a trajetória de sucesso da família na expansão dos negócios

Destaques Tecnológicos

Destaques tecnológicos do setor: Andritz, Contech, Hergen, Solenis, Valmet E Voith

Compartilhar

Newsletter

Mantenha-se Atualizado!

Assine nossa newsletter gratuita e receba com exclusividade notícias e novidades