As últimas novidades e notícias da indústria de celulose e papel. Artigos técnicos, tendências, tecnologia, inovação, ESG, cursos e mais.

     

    A indústria brasileira se pergunta se 2024 será o ano da virada

    Por Antonio Lemos, presidente da Voith Paper na América do Sul

    O ano de 2023 chegou ao fim e, mais uma vez, a indústria brasileira fica com a sensação de que ficou faltando algo para aquele sonhado momento de turn around, dar a volta por cima, se reerguer e voltar a ocupar importante lugar no PIB nacional. É preciso exportarmos mais produtos acabados do que commodities ou matérias-primas que serão transformadas em outros países e retornam ao Brasil com maior valor agregado, tendo gerado empregos e desenvolvimento lá, e não aqui.

    Notícia continua após o anúncio

    No final de novembro li uma entrevista do estrategista geopolítico Peter Zeihan, autor do best-seller “The End of the World is Just the Beginning – Mapping the Collapse of Globalization”, falando sobre os riscos do Brasil frente à dependência criada com a China e a globalização. Em um dos trechos, ele afirma: “Vocês precisam reconstruir a sua base industrial. Em segundo lugar, será necessário incentivar as famílias a terem mais filhos. Caso contrário, o Brasil desaparecerá da face da Terra no início do próximo século. Uma forma de mitigar isso é estabelecer parcerias com países com população mais jovem. Vejo duas opções naturais, a Argentina e os EUA.”

    Não são poucas as provas da importância de termos uma indústria forte. A pandemia talvez tenha sido a situação que mais explicitou a toda a população essa questão, ao fazer sumir do mercado diversos itens exclusivamente importados.

    Mas, estamos na contramão desse movimento e precisamos de ação do governo para fomentar esse setor. Um dado divulgado agora em dezembro pela Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores aponta que a participação do Brasil nas importações de veículos pelos países da América Latina caiu de 22,5% para 19,4% de 2013 a 2022, enquanto a participação da China explodiu de 4,6% para 21,2% no mesmo período, tomando a liderança do Brasil. Reflexo disso são, por exemplo, as demissões e fechamentos de fábricas anunciados pelo setor em 2023.

    Posso afirmar que as empresas instaladas no país há décadas estão com sede de produzir, exportar e crescer, e preparados para esse momento de virada. Temos investido na mudança da indústria tradicional para a 4.0, com agregação de serviços e modernizações. Na Voith Paper, em 2023 contratamos mais de 50 estagiários, um número recorde, em nítido movimento de investimento em qualificação de mão-de-obra e aposta no futuro.

    Nossa empresa mantém excelente relação com a sede na Alemanha, de onde recebemos constantes incentivos e a confiança de que estamos em uma região estratégica, não só pelo país, mas como entrada na América Latina. E, por sermos indústria de base, que fornece equipamentos e soluções para outras indústrias, fazemos parte de um grupo de empresas capaz de gerar ainda mais retorno econômico e social ao Brasil, ao dar certa autonomia para o crescimento industrial.

    Temos musculatura, vontade, tecnologia e know-how. O que nos falta, como setor industrial, é um ambiente favorável e o apoio consistente do governo para transformar adversidades em oportunidades.

    Além de todas as fragilidades históricas, como o chamado custo-Brasil, infraestrutura limitada e elevada burocracia nos processos de importação/exportação, temos exemplos atuais de alto impacto na economia, como o possível fim da desoneração da folha de pagamento para diversos setores, a alta carga tributária incidente na importação de serviços e softwares (notadamente os chamados SaaS “Software as a Service”), bem como a bitributação no comércio exterior.

    Esse último ponto machuca os negócios, em especial empresas de origem alemã, pois o Brasil ainda não conseguiu construir um acordo que evite a bitributação de serviços e intangíveis. Isso seria extremamente benéfico para as companhias brasileiras, notadamente, se for elaborado no formato dos chamados “Tratados de Ouro”, a exemplo de Finlândia, Espanha, Japão, França e Suécia. A bitributação encarece muito o custo dos produtos e afeta, consequentemente, a competitividade dos produtos brasileiros. Como exemplo, quando trazemos um técnico alemão, pagamos quase 40% de impostos.

    Esse último ponto machuca os negócios, em especial empresas de origem alemã, pois o Brasil ainda não conseguiu construir um acordo que evite a bitributação de serviços e intangíveis.

    O Brasil continua sendo o país do futuro. Temos capacidade ociosa da indústria, mão-de-obra ainda abundante e com custo não tão elevado, matéria-prima disponível e muita vontade do setor produtivo em embarcar em uma fase de crescimento acelerado. Mais um ano se encerra e continuamos sem enxergar o início desse futuro tão brilhante e sonhado.

    Nosso questionamento é: será que 2024 vai ser o início dessa virada?

    Fonte: Voith Paper

    Últimas Notícias

    Portocel iniciará movimentação de fertilizantes em conjunto com a Adufértil

    A expectativa é movimentar pelo Portocel entre 120 mil e 180 mil toneladas/ano de fertilizantes. Entre os clientes estão a Suzano e outros players do segmento

    Klabin lança papel colmeia, alternativa sustentável ao plástico-bolha

    A Klabin lançou o papel colmeia sustentável, reciclável e versátil, visando promover a economia circular e substituir o plástico-bolha

    SupriJá: a plataforma online da Suzano para impulsionar vendas

    A Suzano lançou a primeira etapa para uma plataforma, SupriJá, que busca impulsionar as vendas de parceiros focados no universo de materiais de escritório

    Branded Contents

    Wana transformando inovação em solução

    A WANA é uma empresa 100% nacional com mais de 20 anos de atuação, especialista na produção de aditivos químicos poliméricos para diversos mercados,...

    Valmet e Suzano investem em inovação e tecnologia para impulsionar o desenvolvimento sustentável da indústria

    Suzano e Valmet celebram uma década de parceria em Imperatriz, MA, marcada por avanços tecnológicos e sustentabilidade na produção de celulose

    Instituto Senai de Tecnologia em Celulose e Papel amplia foco em sustentabilidade

    Em um cenário industrial sempre mais competitivo e de constantes transformações são cada vez mais comuns projetos que exigem a implementação de processos inovadores...

    Compartilhar

    Newsletter

    Mantenha-se Atualizado!

    Assine nossa newsletter e receba com exclusividade novidades e notícias do setor.