As últimas novidades e notícias da indústria de celulose e papel. Artigos técnicos, tendências, tecnologia, inovação, ESG, cursos e mais.

     

    Setor florestal pode ser protagonista no mercado de carbono

    Rabobank aponta que os setores florestal e de papel e celulose têm o potencial para se tornarem atores relevantes no mercado voluntário de crédito de carbono como emissores de créditos NBS ("nature-based solutions" ou soluções baseadas na natureza) nos próximos anos

    Estudo conduzido pelo banco Rabobank sobre o mercado voluntário de carbono, o Voluntary carbon market and the forestry sector: Opportunities and challenges ahead revela que existem vários obstáculos a ultrapassar antes desse mercado poder realmente acelerar e atingir o seu potencial. Realizado por Andres Padilla, analista de Celulose do Rabobank Brasil, ele afirma que as empresas dos setores florestal e de papel e celulose têm o potencial para se tornarem atores relevantes no mercado voluntário de crédito de carbono como emissores de créditos NBS (“nature-based solutions” ou soluções baseadas na natureza) nos próximos anos.

    Notícia continua após o anúncio

    Inclusive, de acordo com estimativas da McKinsey e de outras consultorias, a demanda potencial por NBS pode chegar a US$ 50 bilhões até 2030. Essa estimativa coloca o Brasil e a Indonésia como os dois maiores locais possíveis para projetos NBS, dadas as florestas existentes e a disponibilidade de terras para conversão em projetos, com cada país representando cerca de 15% da oferta teórica total.

    A demanda potencial por NBS pode chegar a US$ 50 bilhões até 2030.

    Dentre as oportunidades para o setor florestal no mercado voluntário de crédito de carbono estão a possibilidade de reflorestar, proteger e preservar grandes áreas de florestas nativas, convertendo pastagens degradadas em novas florestas e estabelecendo parcerias com agricultores e outras entidades do setor privado; a geração de créditos de carbono NBS certificados de alta qualidade, que podem ser vendidos no mercado voluntário para empresas que buscam compensar suas emissões de GEE; e a possibilidade de se tornar financeiramente sustentável por meio da emissão de créditos de carbono NBS 2.

    Contudo, o estudo também aponta os principais obstáculos que as empresas enfrentam ao desenvolver projetos de crédito de carbono fora de suas operações diárias, que incluem: a falta de um marco legal definido em alguns países, o que leva as empresas a postergar investimentos em projetos de crédito de carbono em maior escala; a falta de uma norma global oficial para certificar todos os créditos, o que pode levar a divergências entre as agências de certificação e prejudicar a qualidade e transparência dos créditos; a necessidade de seguir critérios rigorosos de adicionalidade, verificação e controle para garantir a efetiva redução de emissões de GEE e sequestro de carbono; e os riscos adicionais trazidos por eventos climáticos extremos, que podem adicionar custos aos projetos e frustrar os compradores.

    Últimas Notícias

    Irani encerra 2023 com lucro líquido de R$ 383 milhões

    A Irani apresentou lucro líquido de R 383 milhões em 2023. No período, a receita líquida foi de R$ 1,594 bilhão (- 5,5% que 2022), impactado por redução de volume e preços dos segmentos Papel para Embalagens e Resinas Sustentáveis.

    Primeira casa 3D impressa com produtos florestais reciclados

    A Bio House 3D é um projeto de instituições de ensino americanas que utilizaram produtos florestais reciclados para imprimir uma casa em apenas 12 horas

    Redução de quase 77% no consumo de água na MD Papéis

    A MD Papéis, empresa situada em Limeira (SP), reduziu em 76,9% seu consumo de água em 13 anos, adotando reuso no processo produtivo.

    Branded Contents

    Solenis homenageia Suzano pelos 100 anos

    Suzano, Parabéns pelos 100 anos! Uma história repleta de grandes desafios e muito sucesso. Pioneirismo, inovação, tecnologia de ponta, atributos que facilmente conferiríamos a nós...

    Wana transformando inovação em solução

    A WANA é uma empresa 100% nacional com mais de 20 anos de atuação, especialista na produção de aditivos químicos poliméricos para diversos mercados,...

    Valmet e Suzano investem em inovação e tecnologia para impulsionar o desenvolvimento sustentável da indústria

    Suzano e Valmet celebram uma década de parceria em Imperatriz, MA, marcada por avanços tecnológicos e sustentabilidade na produção de celulose

    Compartilhar

    Newsletter

    Mantenha-se Atualizado!

    Assine nossa newsletter gratuita e receba com exclusividade notícias e novidades