As últimas novidades e notícias da indústria de celulose e papel. Artigos técnicos, tendências, tecnologia, inovação, ESG, cursos e mais.

     

    Paciência e gestão para construir perenidade

    Discutir o quão longos são os ciclos de investimento das empresas que formam o segmento de papel e celulose é, sim, chover no molhado. Contudo, isso não significa que não seja importante lembrar os gestores dessas companhias a importância de se ter uma boa gestão, calcada por eficiência, produtividade e
    inovação no dia a dia do seu negócio.

    Além disso – e isso não faz mal a ninguém –, um pouco de paciência pode cair bem para as corporações desse tão importante setor da economia brasileira. Digo isso, porque as expectativas para 2024 são cercadas de dúvidas, formando um contexto ainda mais complexo do que o encarado nos últimos anos.

    Apesar de capitalizadas, principalmente pelos anos de pandemia, que alavancaram os números dessas empresas a recordes de produção e vendas, o setor espera passar por um novo momento: com a
    chegada de novas – e poderosíssimas – plantas no mercado brasileiro e latino-americano, o setor passará por um momento de superoferta, lastreada pela entrada dessas novas unidades em plena produção.

    Com essas unidades entrando em ramp-up e um processo de substituição de embalagens de plástico por papel ganhando cada vez mais força em um contexto nacional e global, o risco dessa história será jogar o preço do papel para baixo, causado pelo excesso de oferta de matéria-prima e alta competição no mercado. Um cenário completamente desafiador – e que estará no topo da lista de prioridades dos gestores dessas empresas. Afinal, esses altíssimos investimentos precisam se pagar.

    Neste complicado contexto, o jogo da eficiência ganha ainda mais força. Sem uma boa gestão e um bom plano para atravessar os próximos anos, as dificuldades podem aumentar e a busca por melhores margens pode se tornar um grande problema para essas companhias.

    Olhar para o tema é providencial ao longo do próximo ano; principalmente, porque economistas já vislumbram um cenário de mais calmaria para 2024, em um contexto macroeconômico global mais ajustado, com economias como Estados Unidos e China entrando em patamares mais saudáveis.

    Ou seja, não se pautar pela boa gestão em 2024 é correr riscos – e há caminhos para o ano, que está prestes a começar, mais suaves e de bons resultados.

    Últimas Notícias

    Suzano anuncia novo CEO em substituição a Walter Schalka, a partir de julho

    O Conselho de Administração da Suzano elegeu João Alberto Fernandez de Abreu, diretor presidente da Rumo como futuro CEO da companhia. O atual CEO...

    Veracel atinge novo recorde de redução no uso de água

    A Veracel alcançou, em 2023, o menor índice médio anual de uso específico de água da história de suas operações

    CMPC lidera ranking de sustentabilidade corporativa da S&P Global 

    Na avaliação geral do ranking S&P Global Sustainability Yearbook, a CMPC ficou posicionada entre as 1% melhores colocadas. Na categoria Papel e Produtos Florestais superou as outras 38 companhias do setor.

    Branded Contents

    Solenis homenageia Suzano pelos 100 anos

    Suzano, Parabéns pelos 100 anos! Uma história repleta de grandes desafios e muito sucesso. Pioneirismo, inovação, tecnologia de ponta, atributos que facilmente conferiríamos a nós...

    Wana transformando inovação em solução

    A WANA é uma empresa 100% nacional com mais de 20 anos de atuação, especialista na produção de aditivos químicos poliméricos para diversos mercados,...

    Valmet e Suzano investem em inovação e tecnologia para impulsionar o desenvolvimento sustentável da indústria

    Suzano e Valmet celebram uma década de parceria em Imperatriz, MA, marcada por avanços tecnológicos e sustentabilidade na produção de celulose

    Compartilhar

    Newsletter

    Mantenha-se Atualizado!

    Assine nossa newsletter gratuita e receba com exclusividade notícias e novidades

    Mais Colunas